Aprovado texto-base de PEC que vincula salário da AGU e de delegados ao STF
6 de agosto de 2015
Passeata contra teoria de gênero une católicos e evangélicos
11 de agosto de 2015

Pepe Vargas diz que publicação no Humaniza Redes foi um equivoco

O Ministro-Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas, falou sobre a publicação do site Humaniza Redes, que provocaram grandes discussões e interpretações dúbias quanto à pedofilia e que sofreu diversas críticas nas redes sociais. Os esclarecimentos foram prestados esta semana, durante uma audiência entre Vargas e o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ).

O encontro foi realizado a pedido do próprio ministro, após Sóstenes se manifestar nas Redes Sociais e protocolar na Comissão de Direitos Humanos e Minorias, da Câmara dos Deputados, um requerimento de realização de Audiência Pública para debater e esclarecer a publicação, a grande polêmica foi fruto de um post na página ‘Humaniza Redes’, da Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal, no último dia 9 de julho.

A mensagem sobre pedofilia dizia que “nem todas” as pessoas que abusam de uma criança ou adolescente são pedófilas. Em outro trecho, o texto explicava que a pedofilia é um transtorno de personalidade e deve ser diagnosticado por um psiquiatra. A publicação não foi bem recebida, e muitos internautas criticaram, dizendo ser apologia e relativização da pedofilia, além da humanização da figura do pedófilo.

Pepe alegou que a publicação foi um equivoco e que em momento algum o órgão tinha a intenção de defender ou fazer apologia a pedófilia. Ainda de acordo com o ministro, o erro foi detectado e foram tomadas algumas providencias como, retirada do post e nota de esclarecimento, além disso, as postagens que eram feitas por uma só funcionária da Secretaria, agora passa por revisão de setores específicos da Secretaria antes de serem publicadas.

“É de suma importância ficarmos atentos a todas as ações do governo e cobrar a luta de todos contra a pedofilia”, declarou Sóstenes.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *