Dia da Pátria: “Não conseguirão pintar nossa bandeira de vermelho”
5 de setembro de 2017
Sóstenes promove debate sobre aprovação de conta inadimplentes na Lei Rouanet
22 de setembro de 2017

Sobre uso de nome social nas escolas primárias

Prezados amigos!

Quero compartilhar com vocês meu profundo descontentamento e indignação com a postura do Conselho Nacional de Educação (CNE) que aprovou de forma unânime o parecer que autoriza o uso de nome social nas escolas de educação básica.  Ou seja, uma criança de 5 anos de idade que queira ser chamada por um nome que representa o sexo oposto, poderá usá-lo. No entanto, todos nós sabemos que crianças estão em fase de desenvolvimento mental, moral, espiritual e social, e por isso, não estão plenamente capazes de decidirem sobre suas vidas.

Sabemos que tais ações fazem parte de uma agenda diabólica, que tenta a todo custo destruir as famílias, tirar a autoridade dos pais sobre os filhos e doutrinar nossas crianças com suas ideologias. O absurdo é tanto que além de autorizar a requisição do nome social por alunos maiores de 18 anos- o que, segundo o órgão, já acontece em 24 estados do país-, a normativa permite que menores de idade também solicitem o direito por meio de seus representantes legais. O Conselho orienta que, caso os pais ou responsáveis se neguem a fazer a solicitação, que a escola encaminhe o aluno para defensoria pública, para que possa exigir judicialmente o direito. Isso é um ultraje meus amigos.

Por diversas vezes, a ideologia de Gênero foi derrotada no Congresso, mesmo assim, o que vemos é que esse grupo que é inimigo das famílias, tem se infiltrado nos municípios, nas secretárias, nos ministérios, nos conselhos, no judiciário e até na ONU.

Até quando vamos ver esse tipo de atentado a inocência das nossas crianças? Vamos levar 13 anos para tirar as guardas da esquerda do MEC? É impressionante e lamentável toda essa manobra de destruir os valores e padrões morais da família brasileira.

No dia 14 de março deste ano, nós juntamente com representantes das Frentes Evangélica e Católica nos reunimos com a secretária-executiva do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena de Castro para discutir sobre o lançamento da BNCC- Base Nacional Comum Curricular. No encontro, debatemos sobre a possível inclusão do tema Ideologia de Gênero no currículo escolar e foi nos dado a garantia de que o tema não seria incluído na BNCC.

Quero aqui fazer um apelo ao Ministro Mendonça Filho, para não homologar essa medida absurda, pois é mais uma ação dos esquerdistas infiltradas no Ministério. O que realmente queremos é tratar nossos alunos de forma igualitária, nem prestigiando uns pela opção sexual, nem depreciando outros por possuírem e professarem sua fé. Prezamos pela qualidade na Educação, e a garantia de que nossos filhos e filhas não serão doutrinados por essa gente mal intencionada.

Estamos em uma democracia, cujo lema ‘Pátria Educadora’ precisa realmente educar e não deseducar. Chega de corromper os bons costumes da família brasileira! Protegeremos essa nova geração!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *